Bem vindos ao meu cantinho!

Oi pessoal! Este cantinho é para partilhar com vocês algumas ideias,
atividades, textos, etc; que possam de fato nos ajudar nesta caminhada na
educação, espero que vocês gostem e não esqueçam de deixar um comentário.




sexta-feira, 3 de abril de 2009

Como trabalhar pontuação

Pontuação

Séries Iniciais do Ensino Fundamental
Aproximadamente 10 aulas.

INTRODUÇÃO
Ensinar a revisar textos é um conteúdo que deve ser tratado desde as séries iniciais. O aluno precisa incorporar tais conhecimentos gradativamente, ampliar e fazer uso deles com o objetivo de deixar seus textos mais comunicativos, ou seja, objetivos na comunicação de idéias. Para isso, é necessário que o professor:
• utilize diferentes tipos de textos pertinentes à série, colocando seus alunos em contato com bons modelos;
• selecione em qual aspecto da revisão (coerência, ortografia, acentuação ou aspectos coesivos e de pontuação) o aluno focará a atenção, já que não é possível tratar de todos os aspectos ao mesmo tempo.
Este plano de aula propõe uma atividade cujo foco é a Pontuação. Nem sempre os alunos chegam à correção plena dentro do que havia sido proposto. Mas o objetivo não é alcançar a perfeição. O que importa é apresentar questões pertinentes nas situações didáticas, fazendo com que a turma reflita e avance.
OBJETIVOS
Com esta atividade o aluno deve ser capaz de:
1º) construir um comportamento revisor em relação a seu próprio texto e ao dos outros;
2º) perceber que a pontuação é um recurso utilizado pelo autor para orientar o entendimento do leitor;
3º) constatar que, na maioria das vezes, há mais de uma possibilidade de pontuação;
4º) desenvolver a capacidade de argumentação;
5º) desenvolver a atitude de colaboração.
RECURSOS DIDÁTICOS
• lousa e giz (ou papel Kraft e pincel atômico; ou retroprojetor, transparência e caneta hidrográfica)
• papel e lápis
PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
• Em pequenos grupos - duplas ou trios - para realização da atividade de escrita.
• No coletivo, quando acontece a socialização das produções de cada sub-grupo.
• Apresente um texto curto sem nenhuma marcação gráfica tais como ponto, maiúscula, travessão, parágrafo etc. Piadas são bastante interessantes para o exercício, desde que os alunos tenham tido contato com esse tipo de texto);
• Peça aos alunos para marcar as unidades que facilitem a sua leitura com algum sinal;
• Solicite que eles reescrevam o texto, utilizando as pontuações que julguem adequadas;
• Socialize para todo o grupo as diversas possibilidades apresentadas pelos diferentes sub-grupos;
• Discuta a adequação, o significado e o entendimento do texto pontuado de diferentes formas.
AVALIAÇÃO
Durante o desenvolvimento da atividade, é possível avaliar como o aluno:
• utiliza em outros contextos de produção escrita, os conhecimentos que constrói a respeito da pontuação (veja o 1º objetivo);
• usa seus conhecimentos diante do texto para pontuá-lo a fim de atribuir significado a ele (veja o 2º e o 3º objetivos); • argumenta para defender o seu ponto de vista (veja o 4º objetivo);
• colabora com o grupo (veja o 5º objetivo)
CONTEXTUALIZAÇÃO
A revisão é um procedimento difícil para escritores iniciantes, pois requer distanciamento do próprio texto. As crianças nas séries iniciais são capazes de corrigir textos produzidos por outras pessoas mas, em se tratando dos seus próprios, dificilmente fazem uso desse conhecimento.
Por isso, é interessante propor que as crianças comparem seus textos com os produzidos por outras pessoas e os analise em grupo. Isso deve ser feito em parceria e com quem já sabe fazer uso do procedimento da revisão.
O professor deverá orientar o trabalho lançando questões que façam os alunos refletir e avançar, tais como: - Onde começa e termina a fala de tal personagem?
- Por que você usou este ponto neste lugar?
- O trecho pontuado por vocês está fazendo sentido? Explique o sentido desta frase.
- Faz diferença usar a vírgula ou o ponto neste trecho? Por quê? Depois, cada agrupamento deve apresentar seu texto pontuado. Trata-se de uma ocasião rica para discutir e refletir, pois certamente surgirão diferentes formas de pontuar. Os alunos terão oportunidade de argumentar a validade ou não de cada trabalho apresentado.

Aprofundamento do Conteúdo
Tradicionalmente, a gramática ensina que a pontuação é um conjunto de sinais que orienta a entonação da leitura em voz alta. Informações do tipo: "Usem o ponto final quando estiverem cansados. A vírgula serve para indicar uma paradinha. Usa-se ponto de interrogação para perguntar...", provavelmente estão embasadas na história da escrita, quando os livros eram escritos à mão, sem espaços entre as palavras e a leitura era feita em voz alta. Quem pontuava e dava um sentido ao texto era o leitor.
"A prática de leitura silenciosa disseminou-se a partir da produção de livros em escala industrial... Hoje, quando o texto impresso é formatado para ser lido diretamente pelo olho, sem precisar passar pela sonorização do que está escrito, esta função, de estreitar o campo das possibilidades de interpretação indicando graficamente as unidades de processamento e sua hierarquia interna, pertence ao escritor." (PCN - Língua Portuguesa - MEC/1997)
Ensino fundamental - 1ª e 2ª séries
Uma a duas atividades por aula.
INTRODUÇÃO
Pretende-se com este plano de aula que o aluno compreenda mensagens corporais delicadas e representações simples por imitação, observando o ambiente à sua volta para poder perceber diferentes posições, posturas, gestos de si mesmo e dos demais. Além disso, espera-se com as atividades preparar os alunos para entender a linguagem não verbal, de tal modo que possam manejar sua comunicação e transmissão de sentimentos. Para isso, serão utilizados jogos competitivos simples, (individuais, em pares ou em equipe), que incluem correr, pegar, fugir e também adquirir a consciência de espaço e dos outros jogadores. Esse jogos incluem também a prática e o desenvolvimento de diversas maneiras de lançar, receber e transladar uma bola ou um outro objeto.
OBJETIVOS
Desenvolver a criatividade, promover e exercitar o desenvolvimento físico e pessoal em um contexto de respeito e valorização do ser humano, promover o interesse e a capacidade de conhecer a realidade, utilizar o conhecimento e selecionar informação relevante.
PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
As atividades podem ser realizadas na sala de aula ou na quadra. A turma será organizada em grupos, de acordo com a atividade.
1. Convide os alunos para que, em pares, façam duas atividades. Na primeira etapa, peça que um dos dois alunos diga o nome de um objeto e que o outro imite os movimentos desse objeto. Por exemplo, imitação de máquinas em locomoção (carros, barcos, aviões, planadores) ou imitação de máquinas sem deslocamento (guindaste, impressora, fotocopiadora, câmera de vídeo, etc). Durante a atividade, os alunos vão trocando de papel. O jogo também pode ser feito em trios, em grupos de cinco ou em grandes grupos. Numa segunda etapa, conte aos alunos uma história, que envolva diversos animais. Peça que os alunos desloquem-se livres pelo espaço, imitando os animais. Exemplos: na selva, macacos, elefantes, leões ou os habitantes humanos, como indígenas ou fotógrafos. Outra opção, personagens fictícios, como Tarzan. Outra opção é contar uma história que se passe em um zoológico ou em um circo.
2. O safári fotográfico. Nessa atividade, distribua os alunos em três grupos. Um deles deverá imitar animais (diferentes grupos e tipos). Outro imitará os membros do safári e o outro imitará as atividades que se fazem na selva (caça, dança, pesca). Enquanto um grupo imita, os outros tentam adivinhar o que estão imitando. A cada rodada de adivinhação, os grupos devem trocar de papel.
3. O armazém de brinquedos. Cada aluno escolhe ser um brinquedo e imita seus movimentos e formas de mover-se. A turma deve dividir-se em dois grupos. Os do primeiro grupo começam imitando os brinquedos que escolheram e, a um sinal do professor, acabam as pilhas, tornando o movimento mais lento até parar. Em seguida, os alunos do grupo que ficou como observador escolhem os brinquedos de que mais gostaram. Depois disso, invertem-se os papéis.
4. A grande orquestra: Todo o grupo se coloca em semicírculo e é designado um instrumento musical para cada aluno ou grupo de alunos. Um fica com o papel de diretor da orquestra e com seus gestos indicará o começo, a execução e o final da música. Como variação, pode ser que a orquestra se transforme em uma banda de rua e desfile enquanto toca. O diretor da orquestra deve indicar a cada aluno que instrumento tocar, por meio de gestos e da imitação do som do instrumento.
5. Os eletrodomésticos. Cada aluno imagina que está utilizando um aparelho eletro-doméstico igual ao de seus pais (oriente aqueles que não tiverem idéia, sugerindo que imitem um espremedor, uma batedeira, uma enceradeira, uma faca elétrica, uma cafeteira, uma máquina de cortar grama, uma serra ou uma furadeira). Numa primeira etapa, peça aos alunos que imitem o uso do aparelho. Depois, que se transformem no equipamento.
6. Convide os alunos a formar um círculo. Conte a eles que todos vão dormir um pouco para descansar. O grupo reunido imitará diferentes formas de dormir conforme o seu comando: com frio e cobertores, com calor no verão, roncando, sonhando, com pesadelos, tranqüilamente, sonâmbulo.
Depois da última atividade, analise com os alunos a importância da observação para poder imitar. Peça a eles sugestões e comentários sobre as atividades.
AVALIAÇÃO
Uma possibilidade de avaliação das atividades pode ser feita por meio de uma pauta de observação individual contendo os seguintes itens:
O aluno reage perante as informações auditivas que estão ao seu redor, empregando o movimento de gestos?
O aluno reage perante as informações visuais que estão ao seu redor, empregando o movimento de gestos

2 comentários:

iara disse...

foi ótima essa sua dica, usarei em minha sala de aula.bj
Iara Tatagiba

Rosana disse...

que podre!!!!!!